Informativos Marketing Educacional

Você realmente sabe como funciona um curso interativo? Saiba como surgiu essa metodologia de ensino e porque se tornou tão popular

0
Se você perguntar às pessoas que conhece o que é um curso interativo, elas provavelmente dirão que é um tipo de curso que você estuda em um computador, com um fone de ouvido conectado, interagindo com um ambiente virtual que normalmente conta com um professor virtual e simulações de programas. Bem, esse conceito não é totalmente errado, é apenas vago e enxuto demais.

A metodologia de ensino por meio de cursos interativos é bem mais robusta que essa definição e nessa postagem tentarei dar uma visão bem mais ampla sobre ela. Vamos começar falando da história, ou, sobre como essa ideia surgiu!

Para facilitar as coisas, imagine que estamos no Brasil dos anos 90: a implantação de uma nova tecnologia estava borbulhando nas empresas e começava a adentrar os domicílios. Estou falando dos computadores, não é mesmo? Apesar de eles terem surgido algumas décadas antes no exterior, no Brasil dos anos 90 ainda lidávamos com a expansão do uso dos computadores nas empresas e nos domicílios brasileiros.

Os departamentos das empresas estavam na fase de adaptação e assimilação dessa nova tecnologia.

Atividades que antes levavam horas (ou dias) passavam a ser desempenhadas em minutos. As empresas precisavam assimilar rapidamente essa tecnologia para não perderem espaço para os concorrentes.

Gestores, contadores, administradores, vendedores etc. estavam tentando adaptar as rotinas que já praticavam em seus departamentos durante anos sem o uso de um computador a uma nova realidade. As rotinas empresariais foram todas reestruturadas para acomodar o uso do computador como uma ferramenta.

Foi aí que a demanda por cursos de informática e profissionalizantes aumentou exponencialmente. Essa demanda cresceu tanto que o mercado de cursos não era capaz de absorvê-la! Faltavam escolas e turmas com vagas disponíveis para tamanha procura por qualificação profissional e, principalmente, capacitação em cursos de informática.

Dentro desse contexto, temos ainda outros problemas que surgiram e que precisavam de alguém ou algum método de ensino que os solucionasse. Os principais problemas eram:

Diferentes tipos de pessoas precisavam se qualificar e conhecer essa nova ferramenta, mas o horário que as escolas de cursos tinham disponíveis era incompatível com suas realidades. Não havia turmas com vagas disponíveis para horários mais diferenciados;

As turmas tinham apenas 1 ou 2 horas semanais e pessoas procuravam por cursos intensivos, que poderiam ser concluídos em 2 ou 3 semanas no máximo (e não um ano);

As turmas convencionais, para terem uma boa qualidade de aula, precisavam de contar com um excelente professor. Do contrário, a aula não seria boa. Pode-se dizer então que a turma toda tinha que “contar com a sorte” de estudar com um professor realmente bom (com boa didática);

Os professores de qualidade encontravam outro emprego, ou começavam uma faculdade, por exemplo, e precisavam abandonar a turma. O professor substituto encontrava inúmeras dificuldades, e os alunos corriam o risco de sua didática não ser tão boa quanto a do anterior;

As turmas eram lotadas e heterogêneas. Adolescentes estudavam com gestores e, obviamente, as dúvidas e os objetivos se diferenciavam muito. Isso gerava (e ainda gera) muitas chateações em cursos em turma convencionais;

Se a qualidade do professor era mediana e a turma não ajudava, muitos alunos contavam apenas com o material didático para absorver o conteúdo. Isso demandava que ele, por conta, estudasse em casa com o material didático. O problema nisso é que muitas pessoas não tinham os softwares instalados em casa ou muito menos tinham um computador.

Poderíamos enumerar aqui facilmente mais 5 ou 10 problemas da época, mas acredito que você já pegou a ideia, não é mesmo?

Agora imagine que no meio de tudo isso um grupo de pessoas surgisse com a ideia de implantação de uma metodologia de cursos diferente, um método de ensino que acabaria com todos esses problemas citados acima por um preço acessível e alta qualidade! Essa foi a grande jogada da Metodologia ADVANCE!

Os resultados não poderiam ter sido outros: em poucos anos o ‘boom’ dessa nova modalidade de ensinar informática e cursos profissionalizantes foi estrondoso. O número de escolas interessadas em se licenciar só aumentava.

A Metodologia ADVANCE forneceu às escolas da época, que enfrentavam todos aqueles problemas (e vários outros), a solução. Um modo de ensinar cujo aluno escolhe o horário que quiser para estudar, o dia da semana que quiser, e com a duração de aula que quiser.

Como o curso é criado previamente por profissionais capacitados e da área, a qualidade do curso interativo é incontestável. Cada explicação, cada áudio, cada ilustração, é minuciosamente pensada para ter a melhor didática possível. O conteúdo programático do curso é elaborado previamente, no momento de criação do simulador, e é seguido à risca (o que sabemos que não ocorre em cursos em turma).

Junto a isso, foi possível usar de diferentes recursos didáticos multimídia. E daí é que vem o nome “curso interativo”. O curso interativo conta com um ambiente simulado que permite ao aluno interagir com a aula por meio do teclado e mouse.

Tanto em cursos profissionalizantes quanto em cursos de informática esse ambiente virtual conta com explicações narradas por um professor virtual (normalmente bem-humorado e carismático), com áudios, vídeos explicativos, brincadeiras e jogos, questões práticas e de múltipla escolha etc.

No caso do curso profissionalizante, o diferencial é que a interface do programa estudado é toda simulada e conta com interatividade em tempo real.

Vamos pegar por exemplo os programas do pacote Office e o Windows. O simulador imita a interface do programa e o professor virtual pode surgir na tela do PC, por exemplo, e apontar diretamente para um botão que está sendo explicado. Veja nas imagens abaixo:


Professor virtual em uma animação na parte prática do curso de Windows 10. Ele pode apontar para qualquer
parte da tela para explicar. Ele poderia, por exemplo, apontar para o botão iniciar e pedir para o aluno clicar
sobre ele.


Professor virtual em uma animação na parte teórica (explicativa) do curso. Ele fala, gesticula, aponta etc.
O aluno pode ouvir a explicação quantas vezes quiser clicando sobre o balão.

Além do simulador, o curso interativo conta com uma apostila teórica e prática, funcionando como o suporte (base sólida) para o aprendizado.

Ela é importante pois o aprendizado obtido pelo simulador pode ser mais volátil, no sentido de que após o término da aula o aluno tende a começar a esquecer um pouco o que foi visto (que é uma característica de todo ser humano). Para corrigir isso, usa-se da apostila com o objetivo de fazê-lo memorizar o conteúdo por meio da repetição. Além do mais, a apostila é o meio que o aluno terá para consultar em casa (ou no trabalho) tudo o que aprendeu na aula.

Até os dias atuais essa metodologia de ensino continua sendo muito requisitada. Ela ainda é, sem sombra de dúvida, a melhor maneira de se qualificar profissionalmente.

Evidentemente, a Metodologia ADVANCE continua buscando por inovação e diferenciação, tendo em mente que atualmente as tecnologias e consequentemente os meios para assimilá-la mudam da noite para o dia.

Estamos com projetos de implementação de novos recursos nos cursos interativos e de criação de novas maneiras de estudar, sempre sendo guiados pela nossa meta: ENSINAR!

Acreditamos que nosso maior objetivo é ensinar pessoas. A maneira que iremos fazer isso? Bem, a maneira a gente inventa, e se preciso, reinventa; a única condição é que ela continue sendo a melhor maneira.

Compartilhe a sua opinião e as suas experiências nos comentários e continue nos acompanhando! 😊

Comentários

comentários

Conheça os tipos de tráfego na Internet
A importância do Monitor de Sala de Aula
Leia também