Informativos Marketing Educacional

O que é SEO, qual sua ligação com marketing de conteúdo e porque você deve aplicá-lo imediatamente

0

O cenário do mercado atual faz com que os empresários tenham como uma das principais preocupações vencer a competitividade: encontrar caminhos para posicionar-se à frente dos seus concorrentes. Eu já falei em postagens anteriores sobre marketing digital e Inbound marketing – e como o Inbound marketing utiliza o marketing de conteúdo para atrair a atenção das pessoas para o seu site/blog.

Mas tão importante quanto que gerar um conteúdo de qualidade, você também precisa de utilizar técnicas que façam com que eles sejam vistos pelo maior número de pessoas possível (e pessoas “qualificadas”, ou seja, que tenham o perfil aderente ao seu produto/serviço).

Bem, você já deve ter parado para pensar no número de buscas online que você faz por dia e em quantas buscas, o Google, por exemplo, recebe por dia, por hora… Ao pesquisar por algo, você procura por resultados na segunda página em diante? Imagino que não, certo?

Então, se pergunte: Como fazer com que o conteúdo que eu desenvolvo apareça na primeira página do Google? Quais são as técnicas e ferramentas eu devo utilizar? E eu te respondo com uma só palavra: SEO (Search Engine Optimization). Nesse artigo eu irei lhe explicar o que é e qual a importância de utilizar SEO. Vem comigo!

O que é SEO?

SEO não é um programa de computador ou algo único que você compre ou contrate. SEO, que significa em português mecanismo de otimização de busca, é o processo de maximizar o número de visitantes em um site, assegurando que ele apareça no topo da lista de
resultados retornados por um site de buscas por meio de estratégias e ferramentas. Ao usar dessas ferramentas de SEO, o posicionamento do seu site em um resultado de busca tende a ser imensamente melhor. Entretanto, estas práticas não asseguram que determinado site vai ocupar a posição de primeiro lugar na busca. Apenas os buscadores têm o domínio de definir qual site aparecerá primeiro – sejam eles o Google, o Yahoo ou Bing.

A posição de um site em um resultado de busca é definida por “algoritmos”, que são tipos de cálculos usados para determinar a relevância – importância – daquela página para aquele usuário que está a pesquisar.

A técnica de SEO geralmente é dividida em duas partes, que são os fatores internos, que chamamos de On-Page e os fatores externos, chamados de Off-Page, que interferem no rankeamento da página por meio de influências externas.

A seguir vou listar os principais fatores On-Page e como otimizá-los. Eles se tratam das técnicas de SEO aplicadas ao próprio site (seu conteúdo e código). Vou descrever rapidamente os principais:

Palavras-chave no conteúdo: Quando uma pessoa realiza uma pesquisa que contenha palavras-chave relacionadas ao conteúdo de seu site, ele automaticamente aparece nos resultados, aumentando as chances de cliques e número de visitas. Elas podem ser do tipo Head Tail, Short Tail e Long Tail.

O primeiro, Head Tail, é o tipo mais genérico, normalmente formado por uma única palavra ou termo. Tem um volume grande de busca e, por consequência, maior concorrência. A taxa de conversão por sua vez é menor que as demais.

Short Tail se trata da junção de no máximo três palavras curtas. É um pouco menos genérico, há um pouco menos de volume (demanda) e a concorrência se reduz um pouco também e a taxa de conversão tende a ser um pouco maior que a da Head Tail.

Por fim, Long Tail são palavras-chave mais específicas, podendo ser derivadas das Head Tails, acrescentando-se a elas mais detalhes. Com as Long Tails há um volume menor de buscas, mas consequentemente menor concorrência e uma maior taxa de conversão.

Exemplos de cada tipo:

Head Tail – “Excel”

Short Tail – “Curso de excel”

Long Tail – “Curso de excel em ribeirão preto são paulo”

Não existe um tipo ideal, que seja melhor que os outros. Eles são apenas diferentes e a escolha por qual usar vai depender da sua estratégia de negócio. Você pode estar buscando expandir sua marca e ganhar espaço a médio e longo prazo; nesse caso, o Head Tail é mais indicado. Mas se o foco é vender o seu produto ou serviço, algo mais a curto prazo, seria melhor usar das Long Tails. Mas na prática o que acontece é uma mistura de todos esses tipos de maneira inteligente.

Agora que você já compreendeu, deve estar se perguntando: Como escolher então as melhores palavras para usar como palavra-chave nos conteúdos que produzo em meu site? Bem… Existem diversas plataformas que podem te auxiliar a selecionar suas palavras-chave. Elas informam qual o volume de busca da palavra, sua relevância, variações (plural, singular etc.) e até quais os teus concorrentes estão utilizando. As ferramentas mais conhecidas são o Google External Keywords Tools e o Google Trends, este último normalmente sendo usado para complementar o primeiro.

Títulos das páginas: Os títulos das páginas têm um papel importante no posicionamento do seu site nas buscas. Como você já deve saber, é aquela informação que fica na aba (guia) do seu navegador como um texto descritivo do site que nela está aberto.

Tittle tag é um comando HTML que representa esse título da página. Ele é importante nas práticas de SEO porque o conteúdo que estiver nesse comando Tittle tag é utilizado pelo algoritmo do Google para calcular sua relevância. Por isso, é fundamental que você pense em um título de página de forma estratégica, já considerando que ele vai ser usado pelo Google para posicionar a página nos resultados. Além do mais, o title tag também é exibido como título dos resultados de busca. A tittle tag deve ser coerente, corresponder com o conteúdo da página, ter menos dos 64 caracteres máximos, deve ser exclusiva e, de preferência, possuir as keywords mais no seu início (mais à esquerda).

URL “amigáveis”: A URL nada mais é que o endereço de um website. Um exemplo de URL é o do nosso blog: www.blog.metodologiaadvance.com.br.

Dentro do website, a cada conteúdo que é gerado, ou categoria do site que é visitada, uma nova parte de endereço é adicionado a sua URL. Veja, por exemplo, a URL de um artigo do nosso blog: www.blog.metodologiaadvance.com.br/2017/12/12/saiba-como-motivar-seus-colaboradores.

Este exemplo dado acima é de uma URL amigável, visto que o usuário, ao bater o olho sobre ela, é capaz de assimilar o seu conteúdo com facilidade.

Um exemplo de uma URL não amigável seria: www.exemplodeurlnaoamigavel.com.br/blog.php?post=997259148

Viu só? As principais dicas para uma URL amigável são: não use espaços entre as palavras, mas sim traços. Não use acentuação e letras maiúsculas. Sempre inclua as palavras-chave na URL e não use mais de 5 palavras. Usar ou não URL amigáveis não irá alterar no rankeamento da página, mas podem, sem sombra de dúvida, aumentar o volume de cliques por serem mais limpas e atrativas para os usuários.

Heading tags: São estruturas que possibilitam a organização do conteúdo da página. Traduzindo, temos algo como “tags de cabeçalho”. E elas funcionam exatamente dessa forma. Com elas, é possível estruturar o conteúdo dividindo-o em títulos e subtítulos. Essas heading tags são usadas pelo algoritmo do Google para avaliar a relevância da página para as buscas.

Elas são inseridas no código HTML do site e vão de H1 (título principal) até H6. Na tag H1, use uma palavra-chave que descreva o assunto principal. Nas tags de 2 a 6, utilize palavras-chave complementares à ideia principal.

Meta tags: As meta também são linhas de código HTML, entretanto, diferenciam-se por seu conteúdo não estar visível para o visitante do site. Elas ficam escondidas e são preenchidas pelos desenvolvedores web e especialistas em SEO. Os sites de buscam ao escanear o site utilizam as informações das meta tags para receber instruções e fazer os cálculos de relevância dos seus algoritmos.

Por conta disso, elas devem ser usadas de forma a complementar as estratégias de SEO e auxiliar no posicionamento do site nas buscas. As principais meta tags são meta description, meta keywords e as meta robots, que são muito importantes. As meta robots mais comuns são: index, noindex, nosnippet, follow e nofollow.

Muito bem! Encerramos aqui o nosso artigo. Existem outras técnicas e ferramentas de SEO On-Page que eu não citei, como o Robots.txt, o canonical tag, a Tag Alt para as imagens e o sitemap.xml, mas que também são de extrema importância.

A grande vantagem de aplicar técnicas do SEO é que com ela é possível aumentar muito o número de visitantes qualificados em seu site ou blog. Com uma prática de SEO bem realizada, as chances de conversão crescem e, por consequência, as vendas.

E aí, o que achou do nosso artigo de hoje? Ele supriu suas expectativas? Por favor, deixe-nos o seu comentário abaixo. Continue nos acompanhando! 😊

Comentários

comentários

As 6 objeções mais frequentes na hora de fechar matrículas e como superá-las
Porque o Instagram Direct ainda é uma ferramenta tão subestimada no Marketing Digital?
Leia também